segunda-feira, 12 de outubro de 2015

12 de outubro - DIA DAS CRIANÇAS -




Do meu livro POESIAS A GRANEL - para colorir 


  JARDIM DA INFÂNCIA


Criança pra crescer bem direitinho,
é preciso adubar com carinho.
Regar com mutia paciência.
Polvilhar com sapiência.


Misture várias pás de bondade,
com doses de boa vontade.
E várias vezes ao dia,
adicione poesia.


Em volta do jardim, plante confiança.
No meio, cultive a esperança.
Esbanje amor, ele não tem medida.
E floresce toda a vida.




segunda-feira, 31 de agosto de 2015

A sala de encantamento



Quase todos, em todas as escolas, ignoram um professor readaptado. Quis o destino, porém, que Claudinha pusesse sua sensibilidade em ação. Quase todos, em todas escolas, um professor readaptado. Quis o destino, porém que Claudinha pusesse sua sensibilidade em ação.Claudinha foi apresentada na primeira reunião do ano. Mulher de olhar calmo, jeito simples, sossegada,. bonita, longe de parecer uma professora readaptada. Mas era.
O professor readaptado, por razões de  saúde,deixa a docência e vive no limbo pedagógico. Quase todos, em todas as escolas, ignoram um professor readaptado. Quis o destino, no entanto, que ela pusesse sua sensibilidade em ação. Logo soubemos disso. Ela zanzou pela escola, olhando aqui e ali, procurando e desvendando segredos grudados nas paredes. Semanas depois, apresentou para a gestora uma proposta inusitada, nunca antes circulada em nossa pedagogia modorrenta. – Se não tiver uso melhor para a sala do final do corredor, gostaria de transformá-la em uma sala de leitura. A gestora concordou. Mais para dar sentido à presença de Claudinha na escola do que por pensar numa sala de leitura. Nunca pensara. Claudinha precisou de um mês, alguma liberdade, apoio de pais e mães, professores e alunos. Mexeu, limpou, pintou, pediu, assoprou, rodopiou, abriu caixas de livros fechadas, furou, parafusou, envernizou, colou, arrumou, enfeitou e marcou a inaugura- ção da tal Sala de Leitura. Na inauguração o que vimos nos deixou de boca aberta e olhos estatelados. Uma sala imunda, repleta de vazios e inutilidades, havia se transformado em uma Sala de Leitura. Linda, como se desenhada por um Picasso local. Almofadas, tapetes, caixotes, estantes, mesas e cadeiras, paredes bordadas e livros. E o mais bonito disso tudo é que a sala começou a ser visitada. Alunos, professores, pais, mães. Muita gente. Mas, nem tudo foi um mar de rosas, na trajetória da Claudinha e daquela sala de encantamento. Um dia fizeram reunião de pais na sala. Depois, guardaram uns computadores usados, botaram alunos de castigo, alunos sem professor, alunos de aula vaga... E mais reuniões, de todo tipo. Até umas rodadas de bingo, com o objetivo de arrecadar dinheiro para a combalida APM da escola. Tanto uso que foi preciso criar uma agenda. E começaram as conversas de pé de porta que a sala não tinha dono, que era de todos, que poderia ser usada por qualquer um. E virou um salve-se quem puder. Até que a Claudinha se postou na porta da sala por horas seguidas, impedindo a entrada de quem quer que fosse se não fosse pela razão da leitura. Com argumentos, ela desafiou o descaso, a má vontade, a inveja, o mau uso, a ignorância: – Esta sala é uma sala de leitura, lugar de burilar ideias, de desabotoar vontades, de soprar o limite dos horizontes, de desacomodar certezas, de mexer nos nossos guardados, de sonhar com outras possibilidades, de dar vozes ao silêncio, de despertar palavras dormidas, de inventar caras para os nossos desejos, de cruzar as fronteiras do conhecimento... Ninguém peitou. Ninguém ousou desafiá-la. Ninguém discordou. E a Sala de Leitura, sala de encantamento se tornou. Para todos. A Claudinha? Um tempinho depois partiu. Foi criar outras salas de encantamento.


Edson Gabriel Garcia é educador e escritor, criador de programas de incentivo à leitura e autor de Diário de Biloca, Amoreco, Cartas Marcadas, Se liga e outros.

domingo, 28 de junho de 2015

29 de junho - São Pedro -






Nas tradições do catolicismo popular, principalmente o brasileiro, o dia de São Pedro é comemorado com fogueira, fogos de artifício, comidas típicas, quadrilha e os demais componentes das festas juninas. É uma festa celebrada pela Igreja Católica em honra ao martírio em Roma dos Apóstolos São Pedro e São Paulo. A data em homenagem a São Pedro é uma das festas mais comemoradas entre as festas Juninas com muitos arraiás, quermesses e fogueiras pelo Brasil. Essa celebração é muito antiga e ocorre no dia 29 de junho, pois é o aniversário da morte e do translado das relíquias do santo.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Homenagem às mães - maio de 2015 -

Queridos amigos!

Minha mãe, dona Marina e eu, grávida do meu filho Daniel, outubro de 1980.
Bjsssssssss,
Regina Sormani







Para sempre

Por que Deus permite
que as mães vão se embora?
Mãe não tem limite
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido 
na pele enrugada
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus lembra 
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará pra sempre
perto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino,
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 23 de abril de 2015

23 de abril - DIA MUNDIAL DO DIREITO DO AUTOR -




Parabéns, queridos amigos e companheiros de jornada! Desejo a todos muita saúde e força pra afastar as pedras do caminho. Vamos em frente, em defesa da boa literatura. Muitos bjs,
Regina Sormani

quinta-feira, 2 de abril de 2015

DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL- 02 de abril


O DIA INTERNACIONALDO LIVRO INFANTIL é comemorado dia 02 de abril, em homenagem ao nascimento de Hans Christian Andersen.

sábado, 14 de março de 2015

domingo, 8 de março de 2015

DIA INTERNACIONAL DA MULHER - 08 de março -

Queridas amigas e colegas!



Lindas flores do jardim da nossa chácara.

Parabéns!!!!!! Bjos,

Regina Sormani

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A Hora do Conto em Lencóis Paulista SP


Empresas de Lençóis Paulista apoiam há 12 anos Hora do Conto
A Tribuna de Lençóis Paulista - 19/02/2015


Criado para atender crianças a partir dos três anos em bibliotecas, pontos de leitura e escolas de Lençóis Paulista, no interior de São Paulo, o projeto A Hora do Conta está completando 12 anos. Desde o início, a iniciativa recebe o apoio de empresas locais, como o Grupo Lwart e a Zilor.



O projeto A Hora do Conto está completando 12 anos e cerca de 61 mil crianças e adultos atendidas pela iniciativa da Diretoria da Cultura. Criado em 2002, o projeto busca qualificar e incentivar os leitores a conhecerem os livros, cuidar dos mesmos e a conhecer e frequentar os espaços de leitura e as bibliotecas existentes na cidade.

“Inicialmente algumas lojas da cidade apoiaram o projeto e algum tempo depois o Grupo Lwart e a Zilor abraçaram o projeto e entenderam a importância e os benefícios alcançados, e o mantém até hoje, possibilitando assim o reconhecimento da cidade como A cidade do livro e de leitores", destaca a atriz, diretora, professora e contadora de histórias Leda Fernandes.

O projeto é desenvolvido nas Bibliotecas, Pontos de Leitura e nas escolas do Município. O público principal são crianças a partir dos 3 anos, mas o público espontâneo também pode participar fazendo o agendamento nas bibliotecas.

Todas as regiões são atendidas pelo projeto, garantindo, assim o acesso de toda a população Lençoense. Também as bibliotecas de outras cidades estão descobrindo o projeto. As cidades mais próximas se programam para participar e em 2014, Leda foi convidada a levar seu trabalho para a Biblioteca São Paulo, na Capital.

A biblioteca é referência em organização e programação de atividades diferenciadas.

"Trabalhar com o projeto A Hora do Conto é ter o prazer de contribuir para a construção de um mundo mais igualitário e humano. Contar histórias é um ato de amor e entrega", destaca Leda Fernandes, responsável pela contação das histórias desde o início do projeto.


sábado, 14 de fevereiro de 2015

VIVA O CARNAVAL!!!!!




Estudo a crayon para tela a óleo do tema ARLEQUIM feito em 1970 pelo ilustrador e pintor paulistano GILBERTO MARCHI.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Homenagem à cidade de São Paulo que completa 461 anos dia 25 de janeiro. PARABÉNS!!!!!






COM SAMPA PARA SEMPRE NO MEU CORAÇÃO

Não nasci em São Paulo, mas moro aqui há muito tempo, mais do que o dobro do tempo que morei em Nova Granada, onde nasci.

Cheguei no início dos anos setenta, a ditadura comendo solto, o medo esparramado mordendo nossas vontades, as vozes ditas num tom menor, os olhos apertados diante do escuro. Vim, como muitos jovens do interior, em busca do sonho. O meu: escrever e publicar.

São Paulo entrou nas minhas veias e se instalou para sempre. Aqui fiz minha sonhada carreira e aqui nasceram meus filhos – e, hoje, nascem os netos. Aqui, amei e fui amado – nas tantas formas de amor – por pessoas tantas e queridas. Aprendi que a vida é breve, mas intensa. Que quase tudo passa, menos o amor por esta metrópole imensa, maluca, agitada, múltipla, democrática em suas emoções. Sampa nada me pede, a não ser este tiquinho de amor cotidiano; e tudo me dá.

Amo esta cidade em todos os seus defeitos, virtudes, belezas, desarranjos, necessidades, possibilidades. Hoje, agora e para sempre. São Paulo é o alimento de minha alma humana.

Sampa, em dias de pouca água e luz, janeiro de 2015.


EDSON GABRIEL GARCIA ( escritor e educador)