segunda-feira, 29 de março de 2010

SOBRE A LITERATURA INFANTIL

DOMINGO PEDE PALAVRA
  
 
SOBRE A LITERATURA INFANTIL
 
A Literatura Infantil transmite os valores fundamentais para a criança. Fundamentais porque vêm de fundamento. É o discurso que funda, o discurso fundador. Estudiosos da Literatura Infantil sabem disso. Primeiro, que há valores que são fundamentais, que fincam as bases de uma cidadania universal. Valores que estão numa educação humanista; segundo, que a Literatura Infantil é a transmissora nata, por excelência, desses valores.
 
TATIANA BELINKY - AUTORA DE LITERATURA INFANTIL
REPRODUÇÃO
Giorgio Manganelli, que fez uma leitura reveladora de um clássico infantil, sabe disso, e todos os outros autores.
A Literatura Infantil apresenta-se como um espetáculo. Ela é, por si só, espetacular. Tudo nela converge para o espetáculo da infância. Os bichos, as paisagens da floresta, os bosques, as buscas, o “Era uma vez”.
No espaço sem figuras está escrita a história. A letra é uma outra espécie de figura, de ilustração. O que o desenho mostra ou não,  está ali, está contado ali, naquele espaço cheio de sinais imóveis para o espanto original, é lá que está a historia., que ela nasce. Os coloridos desenhos  ilustram, enfeitam. É essa a grande mágica, o despertar da curiosidade. Quando isso acontece, a criança está ganha. Ao ter a sua curiosidade despertada para o espaço da letra, ela já se tornou um leitor.
A importância da ilustração é inquestionável. Trata-se da protagonista para a criança em fase de alfabetização, pois é ela, a ilustração, que conduz a criança ao mágico mundo da história, que na letra está.
Depois, com o passar dos anos, a ilustração vai se encolhendo e ganha espaço a outra ilustração, a outra figura, feita com as letras.  A letra é outro desenho, que ocupa mais páginas.
Todos os personagens são amigos. O gato de botas, o lobo, a bruxa, a princesa, o sapo. Todos estão imbuídos de amizade que é universal. Atravessa fronteira a amizade da criança com os seres fantásticos.

 É PRECISO OUVIR O SAPO
Rospo é personagem de Marciano Vasques
 
Fantásticos porque têm a origem na fantasia. A fantasia é a vestimenta dos personagens. É a vida real que está fantasiada: Branca, Cinderela..., vestiram uma fantasia para entrar no mundo da imaginação, onde se elabora a realidade. Quando se fundem as duas é melhor, o resultado é impressionante. 
MONTEIRO LOBATO
REPRODUÇÃO
Monteiro Lobato fez isso, o homem do sítio pôs crianças de verdade convivendo com seres da imaginação. Uma fusão espetacular. Nenhum outro modelo pedagógico se aproxima do sítio. O modelo ainda inimitável de Lobato, está nesse fundir. A realidade mesclada com a imaginação capacitando a criança para a fantasia, ao mesmo tempo em que se apossa do mundo.
Na imaginação temos a realidade apresentada de uma tal forma que precisa ser decifrada. A criança precisa burilar essa imaginação para dela extrair a realidade. A chegada da criança no mundo real se dá por uma ponte inquebrantável. O trânsito original da criança rumo à realidade flui nessa ponte que é a Literatura Infantil. Tal literatura se constitui como ponte, e por ela a criança atravessa sã e aprende a governar os seus sentimentos, assim como compreender a realidade na qual vive, que ela é.
A Educação deveria observar essa função da Literatura Infantil, e rever alguns de seus conceitos, principalmente o da exatidão, no sentido da educação exata, cuja lógica converge para um saber adulto, desprovido do saber infantil: o único capaz de invadir o universo de magia e do “Era uma vez”. Talvez alguns fracassos escolares pudessem ser evitados. Ter o olhar da criança, norma número um. Norma que não normatiza, mas aproxima.
Toda ela, a Literatura Infantil, a bela Branca, se ocupa da construção do edifício ético cujas colunas da armação são formadas por aqueles valores fundamentais.

VERSÃO CINEMATOGRÁFICA DA BRANCA DE NEVE
 
A criança em contato com a bela Branca (que é multicolorida) está sendo preparada para viver a travessia que a levará para a compreensão da ciência, que é outra espécie de encantamento. O encantamento do adulto, mas que se principia na criança da travessia, quando, por exemplo,  diante de uma vela acesa que derrete. A chama da vela, a fumaça que se dissipa, tudo é um mistério que aproxima, um convite para o saber. O pente que se esfrega nos cabelos e atrai o papel picado. Enfim, trata-se do encantamento cujo nascedouro está na criança. A criança que no futuro  poderá se apaixonar pela compreensão científica, assim como ler os filósofos, qualquer um, um Montaigne, um Heidegger, um Nietzsche, enfim.
A Literatura Infantil terá existido desde os confins do tempo, na sua forma oral, na oralidade, com seus seres (dragões, etc) e principalmente, os animais.
O animal está mais próximo da criança. A sua identificação com ele é imediata e estrondosa, o animal é o outro. Ele é o ser que convive no mesmo mundo, não há diferenças de universos, e ambos precisam muito de afeto, ambos são indefesos.
O alfabeto animal a criança logo entende. Ela começa a falar pelo au, au, au...Assim ela vai identificando os seus primeiros amigos.
Grandes personagens da bela Branca são animais: corvos, lobos, raposas, coelhos, grilos falantes, e sapo. Eles estão no caminho, plena coreografia, puro cenário.
Possivelmente doutores da Educação, os que lidam ou teorizam sobre a pedagogia, os responsáveis pela organização do saber, os que fazem o movimento pedagógico, precisam ter contato com a Literatura Infantil e ouvir o que o sapo tem a dizer, antes de se transformar num príncipe.
DESENHO DE SOFIA FERREIRA
O que são os animais da Literatura Infantil? O que são as bruxas, os ogros, as fadas, os príncipes? São os sentimentos humanos, são eles que estão representados na bela Branca. O ciúme é um personagem presente em quase todas as histórias. O amor, o ódio, o medo...Todos os sentimentos humanos estão na Infantil, assumindo suas formas visíveis. É disso que trata tal Literatura: os sentimentos humanos. É através da decifração desses sentimentos que a criança se apropria da travessia. É assim que ela vai se confrontando com a realidade. É assim que ela se prepara para viver realmente.
 KIERKEGAARD - REPRODUÇÃO

Kierkegaard leu Andersen? Alguns intelectuais ficaram apaixonados pelo saber do “Era uma vez”?
Seria proveitoso para o mundo e principalmente para o universo pedagógico se todos os estudiosos pudessem dar uma espiada na Literatura Infantil.


MARCIANO VASQUES

 DOMINGO PEDE PALAVRA - TEXTO 01

2 comentários:

New disse...

Olá, como vai?
Quanto a imagem de Sofia Ferreira, copiei do álbum dela. Não citei a fonte mas ao clicar na imagem ela é redirecionada ao seu álbum. Portanto, como vc citou a fonte, não há problema algum em usá-la também.
Sucesso e abraços.

Martin disse...

Olá, a literatura é muito importante porque transmite valores. Antes de dormir, eu lia histórias para os meus filhos na minha nova casa comprada no viva real. Eles gostam de ouvir histórias antes de dormir. Beijos